DIAGNÓSTICO - TERRITÓRIO DOS CARNAUBAIS

 

1   APRESENTAÇÃO

O presente trabalho é uma versão preliminar do Diagnóstico Territorial do Carnaubais a ser apresentado ao colegiado territorial, conselho territorial e demais convidados SDT/ARIDAS/SEPLAN, com o objetivo de trazer subsídios para a análise da conjuntura do território e, posteriormente, elaboração de um plano de desenvolvimento. 

As informações contidas nesse trabalho advêm predominantemente de documentos oficiais (alguns disponíveis na internet) e dados coletados em órgãos públicos. A defasagem e ausência de algumas informações se devem – também – a esse fato, a coleta de alguns dados estatísticos é realizada em espaços de tempo relativamente longos (informações do Censo, por exemplo), e outros dados não foram quantificados pelas instituições de sua área de atuação.

A realidade é fluida, dinâmica e impossível de ser capturada em sua totalidade e aprisionada num documento. Entretanto, ao coletar dados, apresentá-los e discuti-los com pessoas que vivem a realidade do território, esperamos aprofundar a análise desses dados, com o intuito de identificar tanto as potencialidades que contribuiriam para o desenvolvimento do território, como as “fragilidades”, que preferimos chamar de desafios, que devemos contornar.

 

2   CONTEXTO  GEOGRÁFICO

 

2.1 Localização e situação geográfica

 

O Território dos Carnaubais, composto pelos municípios de Assunção do Piauí, Boa Hora, Boqueirão, Buriti dos Montes, Cabeceiras, Capitão de Campos, Campo Maior, Castelo do Piauí, Cocal de Telha, Jatobá do Piauí, Juazeiro do Piauí, Nossa Senhora de Nazaré, Novo Santo Antonio, São João da Serra, São Miguel do Tapuio e Sigefredo Pacheco, localiza-se no nordeste do Estado do Piauí entre 04° 24’40” e 05°51’56”  de latitude sul e 41°05’50” e 42°10’22” de longitude oeste, numa região de característica semi-árida, com área de aproximadamente 19.653,77 Km² correspondendo a 7,81% da área do estado. Registra como seu município com maior área territorial São Miguel de Tapuio e com menor área territorial, Boqueirão.

 

MUNICÍPIOS

LATITUDE

LONGITUDE

ÁREA(Km²)

% DA ÁREA

 
 

Assunção do PI

05°51'56"

41°20'22"

1.631,18

8,30

 

Boa Hora

04º24'40"

42º05'10"

335,75

1,71

 

Boqueirão

04º29'12"

42º04'26"

281,19

1,43

 

Buriti dos Montes

05°18'43"

41°05'50"

2.632,10

13,39

 

Cabeceiras

04º28'35"

42]18'33"

608,51

3,10

 

Capitão de Campos

04º27'24"

41º56'33"

539,00

2,74

 

Campo Maior

04º49'40"

42º10'07"

1.699,38

8,65

 

Castelo do PI

05°19'20"

41°33'09"

2.063,96

10,50

 

Cocal de Telha

04º33'32"

41º58'20"

322,10

1,64

 

Jatobá do PI

04°46'16"

41°49'04"

663,80

3,38

 

Juazeiro do PI

05°10'20"

41°42'12"

827,20

4,21

 

Nossa S. de Nazaré

04º37'50"

42º10'22"

356,34

1,81

 

Novo Santo Antonio

05º17'18"

41º56'00"

528,41

2,69

 

São João da Serra

05°30'51"

41°53'57"

962,26

4,90

 

São Miguel do Tapuio

05°30'13"

41°19'24"

5.220,51

26,56

 

Sigefredo Pacheco

04°54'50"

41°44'00"

982,07

5,00

 

Média/Total

 

 

19.653,77

100,00

 

 

Sua população é de 168.232 habitantes, sendo aproximadamente 52% domiciliados no meio rural, vivendo basicamente da agricultura familiar, explorando lavouras de sequeiro (milho, feijão, mandioca...), criações de pequenos animais, caprinos, ovinos, suínos e aves e o extrativismo vegetal notadamente a extração da cera de carnaúba.

 

TABELA 1- População Residente Total (urbana + rural), área em Km², densidade em hab/Km² dos municípios que compõem o território.

 

MUNICÍPIOS

POPULAÇÃO

ÁREA

DENSIDADE

URBANA

RURAL

TOTAL

(Km ²)

Hab/Km²

Assunção do PI

3.569

4.442

8.011

1.631,18

4,91

Boa Hora

1.368

4.718

6.086

335,75

18,13

Boqueirão

2.506

3.819

6.325

281,19

22,49

Buriti dos Montes

2.124

5.696

7.820

2.632,10

2,97

Cabeceiras

1.636

7.802

9.438

608,51

15,51

Capitão de Campos

6.225

4.605

10.830

539,00

20,09

Campo Maior

32.283

12.265

44.548

1.699,38

26,21

Castelo do PI

11.295

7.255

18.550

2.063,96

8,99

Cocal de Telha

2.633

1.889

4.522

322,10

14,04

Jatobá do PI

926

3.597

4.523

663,80

6,81

Juazeiro do PI

1.348

3.421

4.769

827,20

5,77

Nossa S. de Nazaré

1.250

2.798

4.048

356,34

11,36

Novo Santo Antonio

732

2.651

3.383

528,41

6,40

São João da Serra

3.503

3.169

6.672

962,26

6,93

São Miguel do Tapuio

7.036

12.165

19.201

5.220,51

3,68

Sigefredo Pacheco

3.032

6.474

9.506

982,07

9,68

Total

81.466

86.766

168.232

19.653,77

11,50

Percentual

48,42

51,58

100

 

 

 

Apresenta densidade populacional média de 11,50 habitantes por quilômetro quadrado e tem no município de Campo Maior (44.548 hab.) seu maior contingente populacional, seguido de São Miguel do Tapuio (19.201 hab.) e Castelo do Piauí (18.550 hab.). Apenas nos municípios de São João da Serra, Cocal de Telha, Castelo do Piauí e Campo Maior apresentam população urbana maior que a rural, porém não apresentam de modo algum processos de urbanização avançados e, apesar desta população residir em meio urbano, suas relações de trabalho são predominantemente rurais.

 

 

3 CONTEXTO SOCIOCULTURAL

 

3.1 Saúde

 

O processo de implantação do SUS (Sistema Único de Saúde) sem dúvida tem impulsionado mudanças profundas na forma de organizar e fazer saúde no estado do Piauí, notadamente no que diz respeito ao acesso da população às ações e serviços de saúde bem como na promoção da qualidade de vida e da cidadania.  A descentralização e a democratização do sistema, materializada por meio do aumento dos mecanismos de participação social nos processos decisórios resultou no aumento da cobertura da atenção básica, bem como, de serviços mais complexos.

A Estratégia Saúde da Família (ESF), implantada no estado a partir de 1998, é o principal mecanismo de reorientação do modelo assistencial a partir da atenção básica, em conformidade com os princípios do SUS, e se apresenta como o principal modelo de atenção à saúde no Território Carnaubais, assim como em todo o estado piauiense, tendo a família como principal foco de atenção. As equipes atuam com ações de promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento, recuperação e reabilitação de saúde no primeiro nível da atenção. Tamanha responsabilidade coloca para as equipes da ESF a necessidade de ultrapassar os limites classicamente definidos para a atenção básica no Brasil, bem como se constitui em um grande desafio para os gestores no enfrentamento dos inúmeros problemas existentes, especialmente no contexto do SUS.

A capacidade instalada de serviços de saúde do Território Carnaubais conta com 67 Equipes Saúde da Família, 401 Agentes Comunitários de Saúde e 55 Equipes de Saúde Bucal, distribuídos conforme a tabela abaixo:

 

TABELA 2 – ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

 

MUNICÍPIO

Agentes comunitários de saúde

Equipes Saúde da Família

Equipes Saúde Bucal Modalidade I

Equipes Saúde Bucal Modalidade II

Assunção do Piauí

18

3

2

0

Boa Hora

15

3

2

0

Boqueirão

14

2

2

0

Buriti dos Montes

19

3

2

0

Cabeceiras do Piauí

22

4

4

0

Capitão de Campos

26

4

4

0

Campo Maior

107

18

15

0

Castelo do Piauí

46

7

4

0

Cocal de Telha

11

2

2

0

Jatobá do Piauí

11

2

2

0

Juazeiro do Piauí

12

2

2

0

Nossa Senhora de Nazaré

10

2

2

0

Novo Santo Antônio

8

1

1

0

São João da Serra

16

3

3

0

São Miguel do Tapuio

47

7

5

0

Sigefredo Pacheco

19

4

3

0

Total do território

401

67

55

0

FONTE: SESAPI/DUVAS/GAB

 

Tendo como referência o Cadastro Nacional de Estabelecimentos (CNES), o território Carnaubais conta com 34 Centros de Saúde, 7 Ambulatórios especializados, 38 Postos de Saúde, 5 Unidades Mistas e 5 Hospitais Gerais.

 

TABELA 3 – REDE DE SERVIÇO DE SAÚDE

MUNICÍPIO

Centro de saúde

Ambulatório especializado

Posto de saúde

Pronto Socorro Geral

Unidade mista

Hospital especializado

Hospital geral

Assunção do Piauí

1

-

2

-

-

-

-

Boa Hora

1

-

-

-

-

-

-

Boqueirão do Piauí

4

-

-

-

-

-

-

Buriti dos Montes

-

1

4

-

1

-

-

Cabeceiras de Piauí

1

-

3

-

-

-

-

Campo Maior

2

5

19

-

-

-

4

Capitão de Campos

1

1

4

-

1

-

-

Castelo do Piauí

1

-

2

-

-

-

1

Cocal de Telha

2

-

-

-

-

-

-

Jatobá do Piauí

4

-

-

-

1

-

-

Juazeiro do Piauí

2

-

-

-

-

-

-

Nossa Senhora de Nazaré

1

-

-

-

-

-

-

Novo Santo Antônio

2

-

2

-

-

-

-

São João da Serra

1

-

1

-

1

-

-

São Miguel do Tapuio

7

-

-

-

-

-

2

Sigefredo Pacheco

4

-

1

-

1

-

-

Total do território

34

7

38

0

5

0

5

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Ministério da Saúde – Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde no Brasil – CNES.

Nota 1: Número total de estabelecimentos, prestando ou não serviços ao SUS.

Nota 2: Dados referentes a fevereiro/2009.

 

O território Carnaubais possui ao todo 283 leitos de internação, conforme a tabela abaixo:

 

TABELA 4 – LEITOS DE INTERNAÇÃO POR ESPECIALIDADE

Descrição

SUS

Cirúrgico

48

Clínico

118

Complementar

0

Obstetrícia

70

Pediatria

85

Outras especialidades

1

Hospital/Dia

0

Total

283

FONTE: DATASUS

O território possui ainda uma Agencia Transfusional, responsável pela estocagem e distribuição do sangue e parte da Hemorrede do Piauí, localizada em Campo Maior.

Em relação ao perfil epidemiológico do território, as principais causas de internações, excetuando as internações decorrentes da gravidez, parto e puerpério, estão relacionadas à doenças do aparelho respiratório, doenças infecciosas e parasitárias, doenças do aparelho geniturinário, aparelho circulatório e aparelho digestivo, conforme a tabela abaixo.

 

TABELA 5 – MORBIDADE HOSPITALAR POR LOCAL DE RESIDÊNCIA

 

MUNICÍPIO

Gravidez, parto e puerpério

Doenças do aparelho respiratório

Algumas doenças infecciosas e parasitárias

Doenças no aparelho geniturinário

Doenças do aparelho circulatório

Doenças do aparelho digestivo

Assunção do Piauí

47

33

37

12

20

65

Boa Hora

121

22

30

27

22

20

Boqueirão

130

91

95

42

55

28

Buriti dos Montes

89

45

67

38

4

27

Cabeceiras do Piauí

143

111

72

64

66

60

Capitão de Campos

178

102

40

61

65

49

Campo Maior

850

943

701

454

395

318

Castelo do Piauí

416

240

338

106

65

41

Cocal de Telha

93

73

51

37

43

26

Jatobá do Piauí

99

92

76

43

38

19

Juazeiro do Piauí

83

17

28

37

17

37

Nossa Senhora de Nazaré

117

81

57

38

37

22

Novo Santo Antônio

33

6

12

3

3

11

São João da Serra

60

8

14

19

6

24

São Miguel do Tapuio

291

145

170

65

77

65

Sigefredo Pacheco

142

85

63

51

31

43

Total do território

2.835

2.094

1.851

1.097

944

855

FONTE: DATASUS

Nota: Período de junho/2008 a maio/2009

 

Segundo o Ministério da Saúde, a dengue, doença infecciosa, é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. À exceção da Europa, a doença atinge entre 50 a 100 milhões pessoas em todos os continentes. Cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em conseqüência da dengue. As condições socioambientais são favoráveis à expansão do Aedes aegypti, possibilitando a rápida disseminação da doença. A tabela abaixo traz a incidência de dengue por 10.000 habitantes por município do território Entre Rios.

TABELA 6 – INCIDÊNCIA DE DENGUE POR MUNICÍPIO

Município

Incidência por 10.000 habitantes

Assunção do Piauí

34,46

Boa Hora

-

Boqueirão do Piauí

2,00

Buriti dos Montes

8,51

Cabeceiras do Piauí

6,49

Campo Maior

15,31

Capitão de Campos

6,04

Castelo do Piauí

25,14

Cocal de Telha

2,41

Jatobá do Piauí

2,17

Juazeiro do Piauí

2,26

Nossa Senhora de Nazaré

-

Novo Santo Antônio

-

São João da Serra

6,50

São Miguel do Tapuio

37,96

Sigefredo Pacheco

-

      FONTE: SINAN/SESAPI

 

De acordo com o Ministério da Saúde, é considerada baixa a incidência de dengue inferior a 10 casos para cada 10.000 habitantes, a incidência de 10 a 29 casos é considerada média e igual ou superior a 30 casos, a incidência é considerada alta. No território Carnaubais, dos 12 municípios cujos dados referentes à incidência de dengue encontram-se disponíveis, 8 municípios apresentam baixa incidência da doença, 2 apresentam incidência média e somente um município apresenta alta incidência de dengue. Faz-se necessário uma política de prevenção em todos os municípios, mas especialmente nos que apresentam média e alta incidência no território.

Saneamento básico (dados disponíveis: 1991 e 2000, relevância?) – abastecimento de água, proporção de moradores por tipo de: instalações sanitárias e de destino do lixo.

Existem alguns desafios postos à questão da saúde no território Carnaubais. Um deles é a melhoria da capacidade instalada de estabelecimentos de saúde no território. Vale ressaltar ainda que todo o território dispõe de apenas 67 Equipes Saúde da Família, 55 Equipes de Saúde Bucal e 283 leitos de internação pelo SUS para atender a uma população total de 168.232 habitantes. Outro desafio é aumentar o envolvimento e a participação dos conselhos de saúde.

 

3.2  Educação

 

Apesar do número expressivo de matrículas em 2008, alguns indicadores ainda preocupam quando o assunto no território é educação. Dois indicadores são especialmente relevantes para a análise do sistema educacional do território, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB, que permite avaliar o desempenho do alunado e a taxa de distorção série/idade, que é reflexo, sobretudo, da repetência e do abandono (ainda que temporário) escolar.

 

 TABELA 7 – NÚMERO DE MATRICULAS POR MUNICÍPIO EM 2008

MUNICÍPIO

ENSINO PRÉ-ESCOLAR

ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO MÉDIO

ENSINO SUPERIOR*

Assunção do Piauí

363

1.868

437

-

Boa Hora

152

1.543

332

-

Boqueirão

144

1.125

169

-

Buriti dos Montes

253

1.730

342

-

Cabeceiras

305

2.064

407

-

Campo Maior

1.638

7.897

2.719

643

Capitão de Campos

498

2.334

473

-

Castelo do Piauí

787

4.153

890

93

Cocal de Telha

165

1.018

235

-

Jatobá do Piauí

173

1.230

328

-

Juazeiro do Piauí

208

1.547

282

-

Nossa Senhora de Nazaré

118

813

211

-

Novo Santo Antônio

69

560

101

-

São João da Serra

228

1.325

361

-

São Miguel do Tapuio

801

3.939

587

-

Sigefredo Pacheco

256

1.924

590

-

Total do território

6.158

35.070

8.464

736

FONTE: IBGE

*Dados de ensino superior referentes a 2007.

 

Acerca do IDEB, podemos observar que Castelo do Piauí apresenta o maior IDEB em séries iniciais do território e Boqueirão do Piauí possui o maior IDEB em séries finais. Em séries iniciais, Assunção do Piauí apresenta a situação mais preocupante e, em séries finais, o município de Boa Hora. Considerando que o objetivo do governo federal é que, a partir do alcance de metas estaduais e municipais, o país tenha nota 6 em 2022 - índice correspondente à qualidade do ensino em países desenvolvidos - é necessário um trabalho não só de permanência na escola, mas também de melhoria do desempenho escolar em todos os municípios.

 

TABELA 8 – IDEB 2007

 

 

MUNICÍPIO

IDEB

 

Séries iniciais (até 4ª série)

Séries finais (até 8ª série)

Assunção do Piauí

2,2

3,3

Boa Hora

2,4

2,5

Boqueirão

3,1

4,0

Buriti dos Montes

2,9

3,7

Cabeceiras

3,0

3,2

Capitão de Campos

3,4

3,0

Campo Maior

2,8

2,9

Castelo do Piauí

4,0

3,8

Cocal de Telha

3,5

3,8

Jatobá do Piauí

3,0

3,3

Juazeiro do Piauí

2,3

3,9

Nossa Senhora de Nazaré

3,6

3,4

Novo Santo Antônio

*

3,6

São João da Serra

3,4

3,5

São Miguel do Tapuio

2,6

3,1

Sigefredo Pacheco

2,8

2,7

 

Em relação à distorção idade/série no ensino fundamental, os índices na dependência administrativa municipal (responsável pela maior parcela de alunos de nível fundamental) são preocupantes, o município com a menor distorção apresenta uma taxa de 43.6, como demonstra a tabela abaixo.

 

TABELA 9 - TAXAS DISTORÇÃO IDADE/SÉRIE

MUNICÍPIO

TAXA DE DISTORÇÃO SÉRIE/IDADE

Assunção do Piauí

43.6

Boa Hora

62.2

Boqueirão

56.1

Buriti dos Montes

59.3

Cabeceiras

49.1

Capitão de Campos

49

Campo Maior

45.8

Castelo do Piauí

57.8

Cocal de Telha

55.2

Jatobá do Piauí

56.7

Juazeiro do Piauí

54.6

Nossa Senhora de Nazaré

54.2

Novo Santo Antônio

74.4

São João da Serra

50.1

São Miguel do Tapuio

57.6

Sigefredo Pacheco

47.5

Fonte: INEP/MEC - 2006

Na área de educação tecnológica e profissional, são ofertados no território – através da Secretaria de Educação do Piauí - os cursos de Agropecuária e Agroindústria, na Escola Agrícola de São Miguel do Piauí e os cursos de Enfermagem, Restaurante e Bar, Agente Comunitário em Saúde, Manutenção e Suporte em Informática, Informática, Hospedagem e Comércio na Unidade Escolar Cândido Borges Castelo Branco, em Campo Maior.

Quanto ao ensino superior, a Universidade Estadual do Piauí possui no território um Campus avançado localizado no município de Campo Maior, que oferece 4 cursos de graduação: História, Licenciatura Plena em Computação, Licenciatura Plena em Pedagogia e Ciências Biológicas.

Utilizando a metodologia de Ensino à Distancia, Universidade Aberta do Piauí – UAPI foi criada com o objetivo de proporcionar educação de qualidade e gratuita que contemple às pessoas localizadas em seus domicílios, evitando a migração dessas em busca de qualificação profissional nas grandes cidades. A UAPI está presente no território com um pólo localizado em Castelo do Piauí, com os cursos Bacharelado em Administração, Licenciatura em Química e Bacharelado em Sistemas de Informação.

Faculdades particulares – (UNESC cresceu e saiu de Campo Maior!!) Outras?

Algumas observações devem ser feitas no que diz respeito à educação no território Carnaubais. A primeira, que não se restringe ao território, é a necessidade de melhoria na qualidade da educação. Faz-se necessário buscar estratégias para angariar cursos e recursos para a educação no território. Só existem cursos públicos de educação tecnológica e profissional em Campo Maior e São Miguel do Tapuio, e no campo do ensino superior, somente em Campo Maior e Castelo. As vagas disponibilizadas nesses cursos estão atendendo a demanda do território? Uma opção seria a ampliação da quantidade de pólos e de cursos ofertados na Universidade Aberta no território.

 

3.3 Cultura, Esporte e Lazer

 

Marcada por suas belezas naturais e suas lendas, a dimensão cultural do território Carnaubais conta com uma pluralidade de festas religiosas dos padroeiros de cada município - que contribuem para o incremento econômico e representam momentos de reencontro de pessoas - e por eventos culturais periódicos, com destaque para o Cachaça Fest e Monumento do Jenipapo. Expressões culturais???

Existem no território dois bens tombados, o Cemitério do Batalhão do Jenipapo, localizado em Campo Maior, tombado em nível federal; e a Casa de Fazenda Dona Alemã, em Capitão de Campos, utilizada atualmente como creche municipal.

Com o intuito de incentivar, resgatar e valorizar as iniciativas existentes voltadas para a cultura, foi criado pelo Ministério da Cultura, o Programa Pontos de Cultura. Atualmente, não existe nenhum ponto de cultura instalado no território, mas já foram selecionados e estão em processo de convênio três pontos de cultura, um em Boa Hora, sob responsabilidade da Fundação Pedro Coelho de Resende, e dois em Campo Maior, um pela Fundação Cultural Professora Ludetana Araújo e outro pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e Social.

Como potencialidades do território, podemos destacar a existência de muitos ambientes propícios à prática de esportes ecológicos e a riqueza de seu patrimônio histórico. Há uma concentração de sítios arqueológicos, sobretudo, no município de Castelo do Piauí.  Encontra-se nesse município ainda o Parque Municipal Pedra do Castelo. O Cânion do Poti, além de uma opção de lazer, é também um dos pontos turísticos mais visitados do território, inclusive recebendo recentemente a proposta de um projeto de infra-estrutura turística, com pousada, pontos de apoio e estradas. Museu do Tito???

Em Campo Maior há o Monumento do Jenipapo, construído em homenagem aos heróis da batalha pela independência do Brasil ocorrida em 1823. O monumento abriga ainda o Museu do Couro, que conta a história dos vaqueiros e abriga armamentos utilizados na Batalha do Jenipapo. Ainda em Campo Maior, o Museu Zé Didor, instituição de utilidade pública gerida pela Fundação Cardoso Neto, é considerado um dos maiores museus privados do Brasil. Com uma história pitoresca – o museu era inicialmente um bar e foi transformando-se em museu a partir da doação de diversos tipos de objetos por seus freqüentadores -, o espaço conta hoje com mais de 50 mil itens.

Espaços disponibilizados para o esporte e lazer (estádios de futebol, ginásios esportivos, quadras de esporte...)??

Uma questão importante a ressaltar na questão da cultura, do esporte e do lazer, não só no território Carnaubais, mas em todo o estado do Piauí, é a escassez de dados, o que dificulta a elaboração de planos de ação para essa área. Faz-se necessário um levantamento de dados sobre as expressões culturais existentes, para que se possa definir as ações prioritárias capazes de dar suporte à riqueza cultural do território.

 

4   CONTEXTO AMBIENTAL

 

4.1 Características geo ambientais do Bioma no Território

 

No estado do Piauí, as formações vegetais sofrem a influência de diferentes domínios, como o Amazônico, o do Planalto Central e o do Nordeste, caracterizando-se por incrementar grande diversidade de ecossistemas, com florestas latifoliadas subcaducifólias, florestas mistas subcaducifólias, florestas latifoliadas caducifólias não espinhosas, segundo CEPRO (1996) e vegetações de transição. Nestas áreas, além do contato do cerrado com a caatinga e o carrasco, ocorre também, influência da mata seca decídua, da mata estacional subdecídua, mata de babaçu, carnaubal, mata ripícola, ou com um complexo vegetacional denominado de “Complexo de Campo Maior” (Castro et al. 1998). Neste complexo vegetacional, observa-se vegetação de ecótonos entre cerrado/caatinga, cerrado/mata com vegetação caducifólia e subcaducifólia estacionais, grandes áreas recobertas pela vegetação herbácea com fisionomia lembrando a savana africana, e presença de carnaubais em planícies inundáveis, as denominadas “Savanas de Copernicia” (Castro et al. 1998). A maior parte do território de Carnaubais se encontra dentro desse complexo. Mesmo municípios que se encontram distantes de Campo Maior possuem resquícios desse complexo, mostrando-se sempre em transição que a principal característica do complexo.

 

4.2 Características geo ambientais do Território

 

4.2.1 Caraterísticas geo-climáticas

 

 O clima predominante no território é o semi-árido quente, com seis meses secos e seis chuvosos. A precipitação média anual varia entre 800 mm e 1.000 mm, com maior concentração nos meses iniciais do ano (janeiro a março). Quanto a evaporação a média anual varia entre 1.425 mm e 1.710 mm, intensificando-se nos meses de setembro a novembro. Quanto a umidade relativa, esta é considerada subúmido, com moderado excesso de água. A insolação média anual é de cerca de 3.000 horas/ano, sendo mais acentuada de julho a outubro. Já a temperatura possui mínima anual variando de 21 °C e máxima anual de 40 °C.

Se comparado a outros territórios, como Serra da Capivara e Vale do Rio Guaribas, o índice pluviométrico é maior, portando este exerce uma influência positiva para a agricultura no território. Também há os problemas da relação precipitação e urbanização, visto que em áreas urbanas mal projetadas, pode haver o risco de enchentes devido à baixa taxa de drenagem do solo. Quanto ao processo de alagamento no complexo de Campo Maior, este se dá por causa do excessivo encharcamento do solo não permitindo a drenagem efetiva criando várias áreas alagadas.

 

4.2.2 Características geomorfológicas

 

O Relevo do território é formado pelo Planalto da Ibiapaba, predominando os relevos de topos planos, com amplos interflúvios modelados nos arenitos da formação Serra Grande. Já os geossistemas são formados pelas Cuesta da Serra Grande, depressão de Crateús e baixada de Campo Maior.

A Cuesta da Serra Grande – apresenta uma morfologia dissimétrica, condicionada por estruturas monoclinais que lhe imprimem um caráter cuestiforme. Apresenta coberturas areno-argilosas, com solos profundos, textura média, permeáveis, ditos latossolos amarelos álicos e areias quartsozas álicas

A Depressão de Crateús – caracterizada por feições planas irregulares, modeladas sobre embasamento cristalino tipo migmatito, granitóide, gnaisses e xistos. Os solos rasos, pouco permeáveis, pedregosos. Brunos não cálcicos e podzólicos vermelho-amarelos, ambos eutróficos.

As formações que datam do período devoniano são:

Formação Cabeça – formada de arenito creme-avermelhado, médio a grosseiro. Leitos espessos com estratificação cruzada.

Formação Pimenteira – formada de folhelhos e siltitos marrons, cinza-escuros e pretos micáceos em níveis de cólitos piritosos com intercalações de arenitos, principalmente no topo.

Formação Longá – caracterizada por áreas deprimidas da região de Campo Maior, constituídas por uma extensa depressão, contendo áreas alagadiças resultantes da impermeabilidade das seqüências eminentemente pelíticas. Em toda a área nota-se a vegetação de parque, com mistura de savana/estepe.

As feições geomorfológicas da região compreendem superfície aplainada com presença de áreas deprimidas, que formam lagoas temporárias; superfícies tabulares reelaboradas (chapadas baixas), relevo plano com partes suavemente onduladas e altitudes variando de 150 a 300 metros; superfícies onduladas, relevo movimentado, correspondendo a encostas e prolongamentos residuais de chapadas, desníveis e encostas acentuadas de vales e elevações, altitudes entre 150 a 500 metros (serras, morros e colinas) e superfícies tabulares cimeiras (chapadas altas), com relevo plano, altitudes entre 400 a 500 metros, com grandes mesas recortadas. Dados obtidos a partir do Levantamento Exploratório - Reconhecimento de solos do Estado do Piauí (1986) e Geografia do Brasil – Região Nordeste (IBGE, 1977).

 

4.2.3 Características hidrológicas

 

Os principais rios que do território são o rio Poti, que abre uma garganta com desnível de cerca de 300m. O rio Longá, o Correntes, o rio Macambira, o rio Jenipapo, o rio Surubim, e os rios Maratoan e  Acaraú.

A formação Serra Grande é o principal sistema aqüífero da região, com maior potencial para o artesianismo. Sistema intergranular. O potencial hídrico varia de muito fraco a fraco.

Todo território é contemplado com a presença de vários rios, suprindo as necessidades da população com água para alimentação humana e dos animais e para a agricultura.

 

4.2.4 Características edafológicas e vegetativas

 

Os solos da região compreendem principalmente plintossolos álicos de textura média, fase complexo Campo Maior. Solos podzólicos vermelho-amarelos, plínticos e não plínticos com transições vegetais caatinga/cerrado caducifólio, floresta ciliar de carnaúba e caatinga de várzea e, secundariamente, solos arenosos essencialmente quartzosos, profundos, drenados, desprovidos de minerais primários, de baixa fertilidade, com transições vegetais, fase caatinga hiperxerófila e/ou cerrado sub-caducifólio/floresta sub-caducifólia e/ou carrasco. Estas informações foram obtidas a partir do Projeto Sudeste do Piauí II (CPRM, 1973), Levantamento Exploratório - Reconhecimento de solos do Estado do Piauí (1986) e Projeto Radam (1973).

A área de transição entre cerrado e caatinga, com predominância das áreas de caatinga arbustiva e arbórea nos municípios mais ao sul, possuindo grandes áreas com fitofisonomia de cerrado rupestre. Nos municípios mais ao norte predominam áreas de parque/cerrado e parque/cerradão (Figura 03 e 04).

 

Barros (2005), acreditando na estreita relação geologia/solo com a vegetação, definiu no Complexo de Campo Maior oito geoambientes, com características edáficas e vegetacionais bem definidas, fazendo perceber uma compartimentação natural, a diversidade e a transitoriedade desta vegetação com outros tipos de vegetação, formando um arranjo vegetacional bastante significativo e peculiar. 

As principais unidades de conservação localizadas no território são a RPPN – Marvão, em Castelo do Piauí. Fazenda Boqueirão com 5.096 ha. Criado pela Portaria (IBAMA) no 42 de 10/08/2000.

 

4.3 Características Antrópicas

 

O território apresenta diversas atividades principalmente agropecuárias, destacando-se a criação de ovinocaprinos e bovinos. Os impactos mais significativos são a fragmentação dos habitats locais, como o desmatamento e também a desestruturação do solo com as atividades agropecuárias.

A instalação de um processo de compartimentação caracteriza-se pela redução na área original e delimitação de manchas remanescentes isoladas com diminuição na

biodiversidade. A discussão fundamenta- se numa perspectiva sistêmica, segundo pressupostos teóricos de Sotchava (1962) e Bertrand (1968), evidenciando características diretamente responsáveis pela fragilidade e vulnerabilidade relacionadas com a declividade dos terrenos, tipologia e estrutura dos solos, condições edafoclimáticas, ao número e freqüência das espécies dominantes, ao caráter antrópico ou como resultado da interação de eventos naturais. Resumindo o território é notadamente frágil em toda sua extensão podendo ser facilmente degradado.

www.uespi.br

www.edudatabrasil.inep.gov.br

www.ibge.gov.br/cidades

www.datasus.gov.br

www.hemopi.pi.gov.br

www.saude.pi.gov.br

 

PLANAP – TERRITÓRIO CARNAUBAIS

 

BAIXE O RELATÓRIO/DIAGNÓTICO COMPLETO: TERRITÓRIO DOS CARNAUBAIS - DIAGNÓSTICO.doc (957,5 kB)

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!